domingo, abril 19, 2015

O primeiro dia de muitos dias




Foi a  primeira saida, foi neste dia que ela recebeu um coração de pedra que até hoje a acompanha em todos os dias da sua vida. Foi um dia cheio de emoções, reencontros de décadas, felicidade, o perigo ali a espreitar e eles completamente alheios a tudo e todos... só queríam estar juntos, disfarçadamente mas juntos... nem sempre conseguiram disfarçar os seus sentimentos, nem sempre conseguiram estar sem se tocar, sem sentir a sua pele tocar-se...e que arrepio na espinha isso dava! A noite foi fantástica, o reencontro com velhas amizades também, mas eles, ai eles.... eles estavam ali, doidinhos para ficar a sós e poderem finalmente cair nos braços um do outro. Ao fim da noite escaparam-se e foram até à praia, a praia que os uniu desde o primeiro dia, a praia onde iam tantas vezes ver o oceano, a praia onde tanta felicidade viveram.
Foi neste dia que ele a tocou pela primeira vez. Foi nesta madrugada que a paixão renasceu...

sábado, abril 11, 2015

(in) Fidelidade, a traição e materialismo

Há os que vivem fora do lar por questões de trabalho.... estes com extrema necessidade de afecto diário, não são capazes de estar sozinhos e então procuram a cama alheia para pernoitar de segunda a quinta. Se a mesma mulher não os acolhe de 2ª a 5ª, procura uma outra para os dias que sobram da outra. Além de enganar a mulher ainda engana as outras duas ou três.... quem sabe mais.... sentem-se bem com todas elas. Completamente diferentes mas numa situação são todas iguais - umas parvas e umas bonecas nas mãos destes gajos. E, sabem que mais? Sentem-se traídos quando estas mulheres saiem com outro homem ou mesmo se se envolvem com outro homem! Além de quererem a esposa como sua propriedade, também o exigem às amantes!

Há ainda os que ao fim de anos de casamento se apaixonam pela 2ª vez pela mesma mulher, o problema é que entre estas duas fases, eles casaram tiveram filhos e agora é uma chatice.... como fazer quando nunca se foi infiel no casamento? Tudo tem que ser feito com calma.... sem grandes alaridos.... começa com o enorme desejo de estar com essa mulher, desesparadamente quer estar com ela, seja de noite, de dia, ao fim do dia, ao final da noite já com os copos.... ahhhh... quando ele está com os copos é um gajo que ama desesperadamente a amante que ainda não é.... começam as formações longe de casa...  a bendita crise também veio ajudar imenso para a desculpa da não ida para casa naquela noite... tudo era motivo para sair de casa e correr para os braços da amante... a paixão de ambos era cada vez maior, tão grande ao ponto de conseguir convencer a amante a mudar de cidade para poder estar mais perto dela e  a despesa ser menor....
Tudo é um mar de rosas até que a amante começa a perceber que as promessas de sair de casa, de não saber se apareceu na altura certa ou errada, são afinal falsas promessas.... os homens são egoístas e materialistas ao ponto de deixar de estar com a mulher que amam para não perderem a(s) casa(s), o(s) carro(s) e até acham que perdem os filhos quando os há! Preferem viver felizes com o património que conquistaram e com a mulher que é também um bem adquirido de alguns homens e que apenas servem para serem mães e donas de casa e na rua, aí sim podem fazer a figurinha triste de mulher casada e feliz....cornuda mas feliz!
Há também os atrevidos, que falam falam mas acções nem vê-las.... eu fazia-te isto, apalpava-te aquilo...
Continua numa próxima inspiração

quarta-feira, março 18, 2015

Nós

18 de março de 2010, chegas à porta da Maternidade Alfredo da Costa e já eu estava à tua espera. Foi uma manhã de stress porque a consulta atrasou e tu estavas quase a chegar.... ansiosos por aquele momento... ainda me lembro da tua cara quando chegaste de carro, espreitas-te pelo vidro da porta do pendura e sorriste para mim e eu para ti :) 
Entrei, cumprimentámo-nos e os cerca de 25 anos que nos separaram terminaram ali. Coraste e assim ficaste até eu me despedir de ti, duas horas mais tarde após o nosso almoço onde me mostraste fotos da tua familia, dos teus filhos lindos, conversámos com a voz trémula durante todo o almoço. Nada mais foi igual a partir daquele dia... As idas a Lisboa aumentaram, os telefonemas eram longos e muitos, as sms e MMS também. Eu também comecei a vir mais ao Oeste. Nunca mais me esqueço do dia em que estava a limpar o sotão dos meus pais e quando chego junto do telemóvel tinhas enviado uma sms que dizia: "Queres ir ver o oceano?". Foram tantas as vezes que fomos ver o oceano, foram tantas as trocas de olhares, as conversas, os sorrisos que quase se transformavam num beijo, era enorme esse desejo e de ambos...dia 5 de abril resolveste contar-me o que se tinha passado entre nós no passado....avivaste-me a memória, quase pensavas que eu estava ali por vingança do que tinhamos vivido, falasta-me do quanto tinhas gostado de mim. Eu por e simplesmente tinha esquecido tudo com a mágoa de te ter perdido? Com a mágoa que foram os anos que passei longe dos meus pais....esqueci quase tudo... Levaste-me a casa nesse dia 5 de abril, já com as certezas que eu estava ali porque me sentia bem e não por querer qualquer tipo de vingança.... foste resistindo ao meu olhar, à minha sedução mas não aguentaste mais que o dia 6 e nessa manhã puxaste-me para os teus braços e beijaste-me... parecíamos 2 adolescentes e a partir daí nunca mais nos largámos. Foi um grande renascer do nosso amor, foi muito intenso e em junho eu estava de malas feitas e a deixar a minha cidade de coração....

quinta-feira, agosto 28, 2014

Caldas da Rainha


E é aqui que me encontro  e é aqui que me perco.
É aqui que não me encontro muitas vezes.
É aqui o meu lugar?
É aqui que trabalho, que ocupo o meu dia.
É aqui que quero e não quero estar.
É aqui que me acolheram de braços abertos.
É aqui que tu estás!
Portanto. embora as saudades da capital sejam demasiado grandes...
É aqui que vou ficar!
Obrigada gentes de Caldas da Rainha

quinta-feira, março 27, 2014

E já passaram quase 4 anos ...sabias que ainda te amo?

E continuo cheia cheia de saudades de Lisboa, da minha vida lisboeta....
Saudades, tantas saudades que até dói.......
Afinal não ficaste comigo como assim davas a entender..... corri para ti...... e aqui continuo à tua espera.....tenho-te eu sei.... aos bocadinhos bons.... mas queria-te aqui .....sempre!

quinta-feira, setembro 13, 2012

A vida no país que amo

A vida neste país realmente está um caos...Tentei aguentar, até desculpar este governo e sinceramente pensava mesmo que estava a fazer tudo o que era possível para nos salvar da miséria. Mais uma vez (sim porque tenho sido muitas muitas vezes) INGÉNUA. Não me apeteceu estudar (hoje em dia se calhar estava certa), fiz birra eu sei....em 1986 surgiu a possibilidade de ir para Inglaterra e como sou meio maluca lá fui. Mas a falta da tecnologia que temos hoje em dia, nomeadamente o facebook e outros meios de nos fazer sentir mais perto dos que amamos não existiam e as saudades foram superiores e ao fim de 9 meses voltei. Estúpida, fui tão estúpida!!! Tinha um emprego que adorava cá (era recepcionista numa Clínica), embora part-time e a ganhar na altura 12.500$00 (cerca de 60 eur), eu adorava o meu trabalho e os meus patrões, mas procurei uma vida melhor. Mas estupidamente...fui!
Voltei para o país que amava e que era o meu, voltei para a minha família que felizmente ainda amo. É aqui a minha partida para a cidade que eu amo - Lisboa. Trabalhei numa das maiores sapatarias do país, passei para a RTP em 1989 onde mais uma vez fui INGÉNUA ao ponto de colocar o amor à frente do trabalho e saí em 1991. Teria ficado? Não sei nem nunca vou saber....a partir daqui foi um saltimbanco de empregos....em 1994 estabilizei também num emprego que adorava e onde mais uma partida da vida me obrigou a deixar. Saí para algo melhor, pelo menos a ganhar o dobro e estando sozinha com uma criança de 8 anos tinha mesmo que lutar para melhor. Hoje considero que não o devia ter feito. Deixei um emprego onde acredito hoje ainda estar para me encontrar agora desempregada, já com subsidio subsequente de desemprego quase a terminar, com um filho na Universidade e como tenho dividas fiscais, possivelmente nem vai ter direito a Bolsa de Estudo (bela solução para continuar a não conseguir regularizar a minha situação fiscal). Acho que não tenho culpa de ter ficado sem emprego. Dediquei-me de corpo e alma à empresa, aos meus patrões e família (deixando a minha de lado muitas vezes). Passei por humilhações em vez dos meus patrões, fui empregada de escritório, gerente, patroa (quando era o meu dinheiro que entrava na empresa até o do patrão chegar), fui empregada de limpeza, de quartos, motorista, estafeta, cicerone dos amigos que vinham de Angola e precisavam ser bem tratados....tudo isto e muito mais porque precisava do meu emprego, porque gostava do meu emprego e embora ganha-se uma miséria para ser isto tudo eu GOSTAVA DO MEU EMPREGO! Foi o ultimo que tive porque quando saí de lá em 2009 já era "velha" para trabalhar e sou muito nova para me reformar.
Chego à conclusão que em 13 de Novembro de 1986 devia ter ido para sempre! Nunca vou saber se tinha sido melhor mas acredito que hoje estava com a minha vida bem melhor. Eu acredito e também acredito que se não tivesse deixado o meu 1º emprego, hoje ainda lá estaria e a minha vida teria sido muito diferente.
Conclusão:
Não sei se a culpa foi minha de estar nesta situação no país que trago no coração.

Ao Governo peço: Ajudem quem realmente precisa, não tirem a todos de igual modo. A Galp, a Sonae, entre outros não precisam da misericórdia da redução da TAXA SOCIAL ÚNICA.
O TALHO, A MERCEARIA, OS LARES DE IDOSOS, AS CRECHES, AS PEQUENAS EMPRESAS É QUE PRECISAM DESSA AJUDA! DEIXEM-ME PAGAR AS DIVIDAS FISCAIS EM PRESTAÇÕES INFERIORES A 102€, CONCEDAM A BOLSA DE ESTUDO AO MEU FILHO PARA ME SER MENOS DIFÍCIL PAGAR-VOS O IMI DA CASA QUE EM MARÇO DE 2012 FIZ A DAÇÃO À INSTITUIÇÃO BANCÁRIA QUE ME EMPRESTOU MAIS DO QUE DEVIA TER EMPRESTADO.
Resta-me a esperança que as pessoas que me ajudam a sobreviver não fiquem desempregadas e que o pai do meu filho o continue também a ajudar e tudo correrá bem.


domingo, dezembro 18, 2011

Ginástica




         Hoje fui ver a festa de Natal na Serrana. Procurei um lugar que conseguisse ver bem o sarau de ginástica porque, como sabem, é um marco muito grande da minha vida. Consegui, ao fim de algumas tentativas frustradas, arranjar um muito bem localizado, onde consegui ver tudo tudo muito bem.
Adorei, como sempre que vejo crianças a fazer aquilo que eu fiz. Arrepiei os pelinhos dos braços cada vez que davam uma cambalhota, faziam uma roda um mortal....Os colchões, os trampolins, o cavalo...ainda são os mesmos! Fiquei feliz por ver tantos miudos a praticar esta modalidade. Várias vezes me deu vontade de saltar do meu lugar e ir fazer também o que estavam a fazer....Ocorreu-me até que para o próximo poderiam ter assim alguns veteranos para animar os espectadores :)
Gostei também de ver a turma de aeróbica e espero para o próximo sarau ter também a nossa turma de pilates.
Gostei dos saltos de trampolim...há uns 5 ou 6 que se destacam.
Um bem haja à Serrana por manter esta modalidade já lá vão mais de 30 anos! Talvez uma turma de ginástica sénior fosse interessante....Fiquei feliz mas nostálgica......


domingo, abril 18, 2010

Porque hoje é um dia especial...




Tenho-vos seguido...Tenho observado o que estão a viver...Acompanhei-vos naquela noite...vi-te naquela tarde e fui ter contigo...Acabaste por me levar para ser o vosso talismã....Eu vou protegê-la e cuidar dela...fica descansado..